Morando com minha amiga ninfomaníaca

0 votes

Olá tenho 26 anos, sou moreno, 1,76cm cabelo castanho e escuro liso.

Este conto aconteceu alguns anos atrás e é um de muitos que aconteceram quando uma amiga minha passou um tempo morando aqui em casa.

Na época ela tinha 18 anos, cabelos escuros e ondulados, passando dos ombros, pele branquinha, altura por volta dos 1,70cm magrinha, peitos de tamanho médio com uma cintura e bundinha bem definidas, além de ser safada como uma ninfomaníaca.

Vamos começar. Eu e ela nos conhecemos faz alguns anos, através de amigos que faziam parte do mesmo grupo. Em pouco tempo nós fomos ficando próximos, conversávamos sobre tudo, pessoas, series, musica etc. Como eu estava namorando época que a gente se conheceu eu via ela apenas como uma amiga, até mesmo depois de eu ter terminado meu namoro.

A família dela era muito conservadora, então ela não podia estar em todos os rolês da nossa galera. Muitas vezes por isso, ela brigava feio com os pais, e quando acontecia ela fugia pra passar um tempo na casa da tia dela. Que era a alguns quarteirões dali.

Foi em uma dessas brigas com a família, que ela acabou vindo parar aqui em casa. Certo dia de manhã eu acordo com ela ligando para o meu celular. Como não era comum ela me ligar cedo atendi preocupado:

Eu – alô? oi….ta tudo bem?-

Ela- oi, mais ou menos, to precisando de uma ajuda, posso passar ai agora?-

Eu já imaginando que poderia ser um problema feio respondi simplesmente:

Eu – claro, vem, to te esperando.

Não demorou muito, ela toca a campainha, quando eu abro a porta vejo ela com uma mala do lado:

Eu – Cacete… o que aconteceu?

Mandei ela entrar…

Sentamos no sofá e ela com os olhos ainda molhados de lágrimas começa a falar:

VicEla – Fui expulsa de casa, meu pai descobriu que tô ficando com aquela garota, ele e minha mãe foram passar o fim de semana na minha vó, mas acabaram voltando antes do combinado sem avisar, então chegaram e me viram com ela na cama.

A garota era uma garota que minha amiga conheceu a mais ou menos um mês, moreninha, por volta de 1,72cm cabelo castanho claro, liso e curto até a altura do pescoço, corpinho bem escultural. Não fiquei muito impressionado, pelo fato dela já ter me falado que também ficava com garotas.

Olhando pra aquele rosto desamparado só consegui responder:

Eu – Mano, que treta, e agora? Tua tia já ta sabendo?

Ela- Minha tia ta em outra cidade, foi passar as férias lá, e só volta daqui a um mês, até ela voltar eu não tenho lugar pra ficar.

Eu já tinha percebido q ela tinha vindo aqui com a intenção de ficar abrigada, e eu não podia dar uma de otário e mandar ela embora. Moro com meu irmão mais novo em nosso apartamento de cinco cômodos. O problema é que meu irmão não se da muito bem com a ela desde o ensino fundamental “treta de grupinho”, além de a namorada dele ser bem ciumenta, então a ideia de uma garota morando com a gente aqui não ia ser nada legal pra ela, mas consegui convencer ele depois de umas conversas, falando q seria por apenas uns dias, talvez não chegasse nem a uma semana.

Como meu irmão muitas vezes ia do trabalho dele pra casa da namorada e dormia por lá, eu e minha amiga ficávamos maior parte do tempo sozinhos em casa já que eu estava estagiando na parte da manhã e ela estava no estudando também de manhã.

Rolou um climão e comi a amiga no chuveiro

Passado uns dias começou a pintar um clima, talvez por estarmos convivendo juntos, algumas vezes trocavamos olhares e era só isso, até certo dia.

Eu e ela estávamos conversando no sofá ela com um shortinho jeans bem curto moldando aquela bundinha bem feita e uma blusa regata na cor vinho colada na pele, e se só isso não bastasse, ela tava deitava no sofá com os pés dela no meu colo, encostando bem no meu cacete que ja tava endurecendo com a situação. A safada notou, foi ai que ela vem e fala:

Ela –  “Eu e você sozinhos aqui o dia todo, o que o pessoal deve pensar” – dando uma risadinha no final

Eu já começando a ficar com tesão naquela situação, mas me controlando para não cruzar a linha da amizade:

Eu – “até agora eu não sei como a sua paquera deixou você ficar aqui em casa”

Ela rapidamente respondeu:

Ela – “nem me fala nela, nós duas só temos nos desentendido, depois de eu ter sido expulsa de casa por ela”

Eu – epa, ta de sacanagem?

Ela – pior que não, to puta com ela, então não vamos falar dela ok?

Eu – ta ok.

Ela – “ta bem quente, vou tomar um banho, vem comigo? Haha brincadeira” falou com uma expressão de safada na cara

Então com uma cara de flerte me perguntando se aquilo tava mesmo acontecendo respondi:

Eu – “olha que eu vou em”

Nós rimos e então ela foi para o banheiro. Fiquei ali no sofa por uns minutos pensando se ela tinha falado sério. Levantei e fui na cozinha beber água, foi ai que dei de cara com a porta do banheiro aberta e lá dentro tava ela tomando banho, sim a safada tinha deixado a porta do banheiro aberta e tava la, ensaboada e peladinha, ela logo me notou ali deu um sorrisinho safado falando:

Ela – não é que você veio mesmo? Pensou que eu não tinha sentido o seu pau duro nos meus pés? Vem safadinho.

Não pensei duas vezes tirei a roupa rapidamente e já fui botando minha mão naquele rabinho delicioso todo molhado dela enquanto ela metia a mão na minha piroca a batia uma punheta gostosa pra mim.

Em baixo daquela água quente fomos nos beijando enquanto nossas mãos molhadas pelo chuveiro corriam pelos nossos corpos, então virei ela de costas pra mim, encostei ela na parede e comecei a meter naquela bucetinha apertadinha dela. Ela começou a dar um gemidinho sexy que me dava mais tesão ainda, não aguentei e comecei a meter mais forte nela até ela começar a gritar:

Ela- “aaah, me fode, não para, destrói minha buceta com força”. Gritando e gemendo gostoso.

Tava quase gozando naquela bucetinha quente e apertada, então aliviei minhas metidas pra prolongar mais aquele momento deliciosamente incrível, virei ela de frente pra mim e comecei a chupar aquele pescocinho, ela foi usando a mãos para massagear minhas bolas. Nesse momento os únicos sons no ambiente eram os nossos gemidos e a agua caindo do chuveiro.

Levantei a perna direita dela e comecei a meter novamente, ela fechou os olhos e ficou com uma expressão de prazer intenso que só me excitava mais e mais. Quando senti que ia gozar avisei e ela me disse:

– “goza na minha boca, quero provar do seu leitinho”

Essas palavras me fizeram agir rapidamente, tirei minha vara daquela delícia de Buceta, ela se abaixou pôs a boca na cabeça da minha rola ai não consegui mais aguentar, soltei toda minha porra naquela boquinha enquanto ela fazia uma cara de satisfação impagável. Chupou minha vara até sugar a ultima gota de porra, depois deu um sorriso.

Isso foi a primeira de muitas trepadas que nós demos, nessa época minha vida tava mais parecendo filme de sacanagem, com direito até a sexo grupal que contarei outra hora.

Contos de Sexo Relacionados

  • Heterossexual 4 meses atrás

    Comendo a mãe do meu amigo

    Quando eu tinha meus 18 anos, sempre dormia na casa de meu amigo. Normalmente saia eu, ele e a namorada dele, quando voltávamos, ele ia para seu quarto com sua namorada, e eu dormia na cama no quarto da mãe dele ou...

    LER CONTO
  • Fetiche 7 meses atrás

    Putaria com gelo

    Ela me amarrou na cabeceira da cama. Piranha safada! Quando eu menos esperava já tinha arrancado minha cueca e usou na minha cabeça pra tapar meus olhos. Ela é tão safada, como eu bem gosto, que não esperou eu...

    LER CONTO
  • Traição 3 meses atrás

    Virei amante da colega de trabalho

    Bom vamos la... vou me identificar como Juan(*), o conto de agora é verdadeiro e ainda está acontecendo. Tenho 30 anos, sou moreno ,, nao forte, mas corpo definido, olhos castanhos, 1,68 de altura. Ela vou chamar de...

    LER CONTO
  • Heterossexual 4 semanas atrás

    Fiz sexo anal com meu cunhado

    Estava em processo de separação e era louca pelo meu cunhado. Um belo dia, resolvemos marcar uma foda. Mesmo já sendo casada, meu pai controlava muito meus passos, como morava no mesmo quintal, o acesso a minha...

    LER CONTO
  • Contos Eróticos 5 meses atrás

    Recaída no escritório

    Olá, meu nome é Danielly(nome fictício), tenho 24 anos e trabalho com meu ex-namorado. Apesar de já termos terminado e hoje sermos ambos casados, ainda existe aquela chama que não se apaga, basta uma troca de...

    LER CONTO

Deixe seu comentário

error: Content is protected !!