Putaria com gelo

1 vote

Ela me amarrou na cabeceira da cama. Piranha safada!

Quando eu menos esperava já tinha arrancado minha cueca e usou na minha cabeça pra tapar meus olhos. Ela é tão safada, como eu bem gosto, que não esperou eu pedir ou dar permissão, naquele momento eu já estava dominado e cheio de tesão, adorando aquilo tudo.

Tudo o que senti depois foi um pingo gelado perto do meu queixo. Eu senti a aproximação dela e logo percebi que ela estava passando gelo nos meus lábios. Abri minha boca e lambi o cubo de gelo, reparando, na hora, que ela o segurava com a boca. Ela então desceu, foi até meu pescoço, peito, passou ao redor dos mamilos, foi até o umbigo. Subiu de novo, deixando meu corpo arrepiado. Cachorra!

Minha putinha me fez delirar com gelo durante o sexo

Ela me beija com o gelo na boca e o transfere pra minha como um pedido. Desce de novo até o meu pau. Lambe meu saco com aquela língua fria e depois desliza a boca por toda a extensão do meu cacete até chegar na cabeça e abocanhá-lo com vontade. Ela me chupa tentando colocá-lo o mais fundo que pode, depois tira da boca e me masturba, volta a lamber meu saco, desce até o períneo. Ergo minhas pernas. Ela brinca com a ponta da língua no eu ânus enquanto ainda me masturba com a mão. Delícia.

Então ela torce o meu pau, como num comando de joystick pra que eu virasse de bruços. Eu me viro e ela me obriga a ficar de 4, mas com as mãos presas. Eu obedeço. O gelo em minha boca já derretido, mas ela pega outro. Percebo pela gota gelada que cai nas minhas costas. Desta vez ela usa as mãos, deslizando o cubo da minha nuca até a lombar. Eu tremo, mas não saio da posição. Ela dá um tapa em minha bunda e enfia de jeito a cara entre minhas nádegas, chupando o meu cu com vontade enquanto uma mão me masturba e a outra se apoia em minhas costas, ainda com o gelo. Meu corpo parece em choque, se contraindo descontrolado. Eu não seguro os gemidos. Puta que pariu!

Ela torce de novo o meu pau, me fazendo virar de novo. Eu já não sei o que pode acontecer. Mas depois sinto os lábios daquela boceta beijando minha boca. Eu correspondo o beijo com a minha língua tentando desfrutar de todo o seu sabor. Então ela levanta e tira a cueca da minha cara, fazendo enxergar de novo. E só o que posso ver é a bunda dela acima da minha cara um pouco antes de ela sentar sobre mim. Meu nariz escorrega pelo reguinho dela, por vezes até encaixando na entrada de seu ânus, enquanto minha língua tentava saborear o máximo que alcançasse da xota. Quando eu me cansava, ela levantava, me dava poucos segundos de ar e depois sentava na minha cara de novo, me sufocando. Gostosa!

Ela pega mais um bloco de gelo e brinca com ele em cima do meu pau rígido, passando ele sobre a glande e a cabeça, deixando ele quase dormente. Então ela se abaixa para um 69 e começa a me chupar enquanto escorrega o gelo para de baixo das minhas bolas e o encosta no meu cu. Eu sei lá que porra ela tava tentando fazer, mas na hora eu só sentia prazer em tudo. Sentindo confiança, ela começou a brincar com os dedos na entrada. Eu comecei a chupá-la com mais vontade e ela entendeu o recado. Enfiou o dedo devagar e começou a massagear lentamente o ponto abaixo do meu saco enquanto me chupava. Sua puta!

Ela saiu de cima de cima, me colocou a camisinha e sentou na minha pika. Era tão fácil entrar naquela buceta, não sei se de tão molhada ou por ela já ter o encaixe certo do meu pau. Ela se apoiou no meu peito e começou a mover os quadris de modo frenético. Eu urrei de tesão e ela me deu um tapa. Eu estava com a cara melada dos líquidos e ela sentiu o melado na própria mão. Me mandou abrir a boca, o que eu obedeci e ela colocou aqueles dedos melados dentro dela. E eu os chupei enquanto ela me cavalgava com maestria. Ela me xingou, apertou meu peito, cuspiu dentro da minha boca, me fez de gato e sapato. Eu já estava quase explodindo e ela nem aí. Insaciável!

Quando eu já não me aguentava mais ela saiu de cima e arrancou a camisinha, me masturbou me fazendo jorrar esperma pra todo o lado. Mais em cima de mim do que dela. Ela esfrega aqueles seios lindos sobre o meu peito sujo de porra e os leva até a minha boca, exigindo o sinal de respeito. E eu os chupo, sentindo meu próprio sêmem, sem fazer qualquer careta de nojo. Ela sorri e vai até o banheiro para tomar um banho. Me deixando ali amarrado. E logo em seguida volta para o segundo Round.

Contos de Sexo Relacionados

  • Suruba 1 mês atrás

    Minha primeira dupla penetração

    Eu tive uma experiência incrível com dupla penetração e vou contar. Me chamo Eliza. Tenho 26 anos meço 1,70, peso 65 kg. Tenho peitos enormes, e uma bunda durinha. Me casei aos 20 anos com o Pedro. Quando nos...

    LER CONTO
  • Fetiche 4 semanas atrás

    Dando para o entregador de pizza

    Sara, 27 anos. Tudo aconteceu em uma noite chuvosa e fria, eu coloquei umas meias furadas, um pijama de unicórnio nada sexy e liguei a Netflix. Eu realmente não sabia o que ia acontecer naquela noite, após devorar...

    LER CONTO
  • Fetiche 1 mês atrás

    Fodendo no metrô com um desconhecido

    Bom dia! Meu nome é Laura e eu acabei fodendo no metrô . Tenho 32 anos, casada há seis anos. Tenho 1,50 m, sim, baixinha... Sou loira, tenho olhos verdes e apesar de magrinha tenho uma bunda perfeita e seios...

    LER CONTO
  • Heterossexual 1 mês atrás

    Minha putinha num drive-in

    Eu e minha mulher sempre fomos muito quentes na cama. Já tínhamos feito de tudo em relação a sexo a dois, quando decidimos juntar outras pessoas na cama. Primeiro foram as mulheres, mas essas eu conto depois. Hoje...

    LER CONTO
  • Fetiche 4 semanas atrás

    Fodendo loucamente com o uber

    Mais um dia de trabalho, desde que começou a quarentena acabei ficando só com o serviço de motorista de aplicativo e que mesmo assim, com movimento menor do que o normal, muito mais problemas do que soluções. Mas...

    LER CONTO

Deixe seu comentário