Um médico pra curar minha carência sexual

0 votes

Sou uma morena de 25 anos, treino Cross fit e tenho um corpo bem delineado, peitos pequenos e durinhos. Um bumbum avantajado e redondinho que chama a atenção onde eu estiver, justamente pq a cintura é fininha e as pernas grossas.

Acabei meu namoro há cerca de 6 meses e por causa dessa quarentena tenho ficado só na masturbação assistindo filmes pornôs para ver se tenho algum estimulo sexual. Só que isso cansa e eu estava louca pra transar de verdade.

Semana passada precisei ir ao médico, consulta de rotina, não tinha vaga e insisti num encaixe. A recepcionista mandou que eu fosse no final do horário. Pra piorar, minha ginecologista teve um imprevisto e não foi, sendo que um dos médicos da clínica atendeu as pacientes no lugar dela. Resolvi ir assim mesmo, pq era só pra passar os exames e assim que eu fizesse, levaria pra ela e tudo voltaria ao normal.

Me arrumei com esmero, como sempre faço, pus uma saia lápis que evidenciava meu bumbum e a cintura, pus uma blusa decotada que valorizava meus seios. Não precisava de sutiã pq era frente única. Fiz uma maquiagem leve, pus uma calcinha minúscula e me mandei pro consultório.

A recepcionista me avisou que o horário dela havia acabado e que assim que saísse a última paciente eu poderia entrar. Se eu não me incomodasse dela ir embora antes de eu ser atendida, mas a pressa era pq a babá ia embora e a filha dela não poderia ficar só. Retruquei que não tinha problemas, que era coisa de só passar exames mesmo. Não ia demorar.

Tesão no médico

Assim fiquei esperando. Assim que senhora que estava sendo atendida saiu, o médico me mandou entrar. Mal pude acreditar no que vi, o homem era um deus grego: Alto, malhado, bonito e cheiroso. Me recebeu com um sorriso nos lábios e um olha perscrutador, daqueles que escarniavam até sua alma, senti que fui aprovada de cara. Me mandou sentar, e perguntou com uma carinha safada: – E ai Joana (fictício), em que posso lhe ajudar? A essa altura, minha buceta já estava ensopada. O tesão em olhar aquele homem me consumia. Resultado de meses a pão e mão…

Ele pegou minha ficha, avaliou e pediu pra que eu pusesse o roupão pra ser examinada. Não me fiz de rogada, tirei a roupa apressada e voltei, quando deitei, notei que os olhos dele escureceram. Abri o roupão, propositadamente deixei todo aberto, permitindo que me visse inteiramente nua. Notei que ele gostou do que viu. Começou apalpando meus seios, fechei os olhos e me deleitei intimamente com aquele toque macio, percebi que ele se se controlava ao máximo, tentando ser o mais profissional possível. A medida que me tocava, eu me arrepiava. Percebi que a respiração dele já estava levemente alterada.

Quando sentou a frente da minha Buceta pra me examinar, colocou minhas pernas escancaradas, pode ver o quão excitada eu estava, toda molhada que parecia escorrer perna abaixo. Ele brincou, vc não facilita minha vida Joana. Tá difícil me concentrar.

Respondi quase que inaudível, imagine pra mim, um médico gato e eu carente há meses… ele riu. Acho que demorou mais que o necessário pra concluir todos os exames. Mandou que eu me vestisse, ao que respondi sem nem acreditar na minha cara de pau: – mas já terminou? Ele deu uma gargalhada e pediu pra que me vestisse enquanto ele solicitava os exames.

Decepcionada e tarada, me levantei cambaleante. Tinha perdido a noção. Estava flertando com o médico gato, na maior cara de pau.

Quando retornei a sala, ele já havia se recomposto, me passou a lista de exames e perguntou se poderia me ajudar em algo mais, explicando que no retorno eu já voltaria a minha médica de origem. Agradeci e fiz uma carinha de quem lamentava. Ele perguntou se eu poderia esperar, pois ele ia encerrar comigo e passar a chave pra o vigia. Fomos caminhando até o carro, só restavam os nossos no estacionamento.

Fudendo a buceta e cuzinho com o médico

Frederico (fictício), como ele se chamava, perguntou se eu tinha compromisso e que ele estava cansado mas ia tomar um chope ali perto. Meus olhos brilharam. Fomos um seguindo o outro. O bar não tinha ninguém. Sentamos num canto e o atendente brincou com ele. O de sempre doutor? Respondeu : – dois dessa vez.

Estava delirando de tesão, nem me concentrava mais. Ele sentou do meu lado e começamos a conversar, havia um clima palpável entre nós. Me olhava nos olhos E vi que estava excitado. Em questão de minutos já estávamos nos atracando. Ele era delicioso, suas mãos antes suaves me mostraram uma pegada sensacional. A boca tinha um beijo quente e invasivo.

Estávamos literalmente nos comendo. Tomamos uns chopps e ele pediu a conta, me pediu pra segui- lo, morava ali perto, entramos numa rua de casas e ele acionou o controle do portão, entrei com meu carro, quando parei no Jardim ao lado do dele, ele desceu e me pegou na porta, não deu tempo de pensar, suas mãos se desfaziam das minhas roupas com total agilidade, eu ao mesmo tempo tirava as dele.

Entramos pelo Jardim e fomos direto pra piscina, tinham umas espreguiçadeiras onde nos deitamos sem roupa, a boca dele se mexia da minha boca e descia pelo pescoço e mamilos com uma fome avassaladora, espalhou beijos e lambidas até chegar a minha buceta totalmente ensopada, chupava meu grelo com uma avidez, me penetrava com os dedos, ora na vagina, ora no cuzinho, enquanto a língua explorava cada centímetro, quando dei sinais de gozo, ele me virou como se faz com uma boneca, juntou as mãos nos meus pés e num só movimento me pôs de bruços, explorando com a língua o meu cuzinho, beijando e lambendo, me penetrando de uma forma que eu estava a beira da loucura.

Quando penso que vou gozar, ele começa a meter o pau deslumbrantemente grande e grosso na minha buceta. Bombava de forma cadenciada. Eu gemia e gritava meu corpo explodia num êxtase só. Quando comecei a gozar ele tirou o pau e pôs a boca, me fazendo gozar na sua língua. Foi um orgasmo maravilhoso, por questão de segundos sai do meu corpo, fui ao céu. Em pouco tempo ele colocava sua pica dura na minha boca, revigorada e com mais tesão ainda, comecei a mamar como louca. Chupava e engolia a pica dele que de tão grande me fazia engasgar. Quando ia gozar tirou da minha boca e esporrou nos meus seios e no rosto. Gemeu como um lobo. Fui a loucura com aquele homem gostoso, e lindo literalmente gritando abraçado comigo.

Assim que nos recuperamos, ele me puxou pra dentro de casa, recolhemos nossas roupas espalhadas pelo chão, e nos dirigimos ao quarto dele, direto pro chuveiro.

Enquanto nos banhávamos e nos acariciávamos, o tesão voltou com tudo, dessa vez, me colocou de 4 na cama e me chupou o cuzinho, preparando a área pra uma nova investida, começou me masturbando com as mãos ao mesmo tempo que me chupava e inundava de saliva indo e vindo da buceta para o cuzinho que já piscava, o pau dele já em plena atividade começou a ser socado na minha buceta, e a seguir ele enfiou a cabecinha no meu cuzinho e aos poucos foi socando freneticamente, me dava palmadas gostosas e me chamava de putinha… eu gemia e novamente gozei como se nunca tivesse gozado. Ele inundou meu cuzinho de leitinho.

Nos deixamos levar pelo cansaço e adormecemos abraçados e saciados. Acordamos no meio da noite com o telefone tocando. Nos separamos sem muita convicção. Ele pq estava sendo chamado pra uma urgência no hospital e eu de volta pra minha realidade. Desde então, nunca mais solidão. Agora sou a paciente número um do meu médico gostoso, sem dúvida ele é o meu melhor estimulante sexual natural que poderia ter.

 


Contos de Sexo Relacionados

Deixe seu comentário