O Pescador comeu a minha mulher

1 vote

Meu nome é Gustavo, trabalho no ramo da panificação sendo proprietário de uma grande padaria em minha cidade.

Sou negro corpulento latino americano casado com uma mulher negra e muito gostosa, só em olhar dar vontade de penetrar nela e depois lava-la para casa.

Sempre tive a curiosidade de ver a minha esposa transando com outro homem, não sei que loucura é essa; mas, essa compulsão depravada consome a minha alma. De forma que tudo começou na época do namoro, quando determinado dia a vi olhando para um trabalhador braçal que escava uma rede de energia na rua onde ela morava. Percebi os olhos lascivos dela contemplando aqueles músculos protuberantes e suados daquele pedaço de mal caminho. Confesso que fiquei muito enciumado; mas naquela ocasião ela se comportou muito amorosa regada de safadeza esfregando a sua xoxota em minhas pernas como se tivesse imaginando aquele peão sarrando no seu corpo.

O Pescador comeu a minha mulher realizei a minha fantasia

Aquele episódio foi decisivo para o meu tesão de ser corno; mesmo sem querer levar chifres; ver o pênis de outro homem entrar na Buceta e Joana e fazê-la gozar de maneira opcional, já que seria um evento de comum acordo; mas, aqueles pensamentos errôneos ficaram adormecidos por muito tempo; somente depois de três anos de casado, quando vi a minha esposa desejando novamente o padeiro da minha empresa, o que rendeu uma prazerosa relação sexual à noite; sendo que esses eventos e sentimentos primitivos e inexplicáveis responsáveis em reacender o meu tesão de Ménage à Trois.

Depois do ato sexual, disse a Joana que gostaria que ela transasse com outro homem, e durante o ato eu entrasse e penetrasse nela também. Daria a liberdade dela gozar a primeira vez tranquila; mas a segunda seria com os dois. Logo após falar essa loucura, a minha esposa deu uma grande risada e falou: Traga logo esse homem, para que eu faça dos dois um grande estrago; e eu respondi: Assim seja!

Vendo a veracidade da minha confissão, a Joana que é conservadora dos bons costumes, mesmo tendo pensamentos lacivinoso, que fazem parte da psique de toda mulher; parou diante a minha confissão bestial; falando que não estava acreditando naquilo, pensava que era apenas uma brincadeira que todo casal fala na cama para quebrar o tédio do relacionamento. Chegou a ficar irritada, e pediu que não falasse mais sobre aquele assunto.

Passados alguns meses, fomos para a praia, e na segunda noite resolvemos ver o luar, e novamente a conversa veio ao debate; só que dessa vez por parte da Joana, que iniciou perguntando se aquela conversa sobre uma transa à três era verdade, ou apenas para provar a sua personalidade; e como resposta falei que era doido para ver ela gozando em outra pica, e muitas vezes até me masturbava.

Então ela falou que topava, mas deveria ser que uma pessoa estranha, de preferência alguém que nunca mais fosse visto, porque depois de transar com outra pessoa fora do casamento as coisas não são mais as mesmas, existindo o perigo de se apaixonar.
Por ironia do destino, estava a uma certa distância um pescador jovem e jocoso, que não ouvia a conversa; mas de certa maneira como quem não quer nada, esperava nos dois transar para espreitar como faz as pessoas; mas não gostam de assumir.

Com ímpeto de safadeza chamei aquele jovem safado de 25 anos, e disse que lhe daria um bom dinheiro se ele participasse de uma suruba com eles; como resposta o garanhão respondeu, agora mesmo senhor; como devo proceder? Respondi, beije e coma a minha mulher, quando ela gozar a primeira vez, eu entro na farra, por enquanto quero somente observar; foi nesse exato momento que notei a Joana totalmente nua friccionando o seu clitóris olhando para o rapaz; e piorando a situação, aquele safadão tirou o calção e a camiseta expondo uma pica de 22 cm, e muito grossa, evento que promoveu um certo temor em minha pessoa.

Perguntei para Joana, será que você aguenta? Em um sorriso maroto ela disse, vamos ver, por enquanto você vai só sofrer vendo de que uma mulher é capaz, depois tem a vida inteira para se arrepender da gozando que darei nesta noite.

Na minha mente inexperiente, pensei que o pescador iria dar uma socada, gozar e pronto; mas, aquele jovem era um verdadeiro comedor de mulher casada, chegando ao ponto de pegar Paulinha chupar a sua buceta como se fosse um sorvete de fina fabricação, depois colocou aquela pica montra na boca dela, jorrando os primeiro jatos de gala; imaginei que seria o fim do ato, no entanto, não deu tempo o cacete fica mole, porque ele pegou com muito jeito a minha esposa e colocou sobre o seu abdome inserido centímetro por centímetro daquele cacetão, de maneira carinhosa ao ponto dela gozar pela segunda vez.

De certa maneira, a minha loucura estava quase cumprida; mas faltava a minha parte, e rapidamente peguei ela por trás, não precisando de lubrificante para o sexo anal tendo em vista que estava toda molhada do espermas daquele garanhão, acontecendo o que eu não esperava, porque em menos de dois minutos os três estavam gozando simultaneamente, evento que exauriu todas as forças da Joana ficando muito cansada e saciada de sexo naquele momento, e para satisfazer a minha saga, bati uma punheta areia da praia olhando o rombo na xoxota da minha esposa, e o pênis grande e grosso do pescador que era duas vezes maior que o meu, e para finalizar o meu conto, aquele safado ainda pediu a Joana para bater uma punheta nele, porque queria levar daquele local um pouco de dinheiro e a lembrança de uma noite maravilhosa a três

Contos de Sexo Relacionados

  • Traí meu marido no trabalho

    Primeiramente, nomes citados aqui são fictícios, por segurança. Me chamo Amanda, tenho 1,60m de altura, sou branquinha (não muito), cabelos compridos e castanho escuro, olhos castanho escuro,  sou casada há seis anos. Desde antes de me casar, eu era louca pra ficar...

  • Desejo do casal para apimentar a relação

    Meu nome é Fred(*), sou branco, olhos negros, 1,80, um pouco acima do peso, 98 kg, mas com muito tesão e vontade de viver histórias diferentes. Sou casado e nome da esposa é Luna(*). Negra, uma raba linda, xota apertadíssima e com uma cara de safada e gosta de uma putaria...

  • Comi a casada evangélica

    Sou um cara maduro, experiente, já transei varias vezes com casais e mulheres casada. Como trabalho com publico conheci uma morena de 44 anos, 3 filhos, casada e evangélica. Trocamos telefone. Ela magrinha, morena e sempre contava que sua relação como marido não ia...

  • Putaria com gelo

    Ela me amarrou na cabeceira da cama. Piranha safada! Quando eu menos esperava já tinha arrancado minha cueca e usou na minha cabeça pra tapar meus olhos. Ela é tão safada, como eu bem gosto, que não esperou eu pedir ou dar permissão, naquele momento eu já estava...

  • Minha putinha num drive-in

    Eu e minha mulher sempre fomos muito quentes na cama. Já tínhamos feito de tudo em relação a sexo a dois, quando decidimos juntar outras pessoas na cama. Primeiro foram as mulheres, mas essas eu conto depois. Hoje vou contar como a exibi num drive-in. Ela tem 1,70m, 52 kg,...

  • Transando com meu vizinho na garagem do prédio

    Aí, que delícia, mete mais, gostoso, mete mais. Esse pau na minha casa me deixa louca. De repente dispara o alarme de um dos carros,chega o síndico e eu estou ajoelhada lambendo o cacete do meu vizinho. Bom, sou Alessandra, tenho 30 anos e vou contar como tudo aconteceu....

  • O Patrão de minha mulher lasca ela

    Sou casado há 25 anos. Tenho 50. Minha esposa, bonita, corpo normal, tem 45. Ela trabalha numa multinacional em função administrativa. Por um azar do destino fiquei desempregado há dois anos. Minha área é restrita e difícil de conseguir recolocação. Quem aguentou o...

  • Fodendo com o garoto da balada

    Olá ... tenho 26 anos, solteira, alta e com um corpo de academia. A três meses estou sozinha, sem namorado, hoje acordei sentindo falta de uma companhia masculina, quando isso acontece sempre uso meu amigo inseparável..... O consolo . Hoje não adiantou, não consegui...

Deixe seu comentário